Estado do RJ confirma dois casos de febre amarela

Vista do Rio São João, o mais importante da região de Casimiro de Abreu, cidade que registrou os dois casos da doença (Foto: Rodrigo Fernandes Brum/Wikimedia Commons)
Vista do Rio São João, o mais importante da região de Casimiro de Abreu, cidade que registrou os dois casos da doença (Foto: Rodrigo Fernandes Brum/Wikimedia Commons)
Uma pessoa morreu, outra está internada e um 3º caso está sob investigação. Secretaria de Saúde antecipa vacinações

O vírus da febre amarela está circulando em todos os estados da região Sudeste. Depois de Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo, em 16 de março o Rio de Janeiro confirmou seus dois primeiros casos da doença.

Como as duas pessoas infectadas não viajaram recentemente para locais em que já se sabe que o vírus está circulando, as ocorrências estão sendo tratadas pela Secretaria de Estado de Saúde como transmissão local – o estado ainda não tinha registrado casos desse tipo desde o início dos surtos em Minas Gerais, no começo de janeiro.

As duas pessoas que contraíram a doença são homens que vivem na zona rural de Casimiro de Abreu, município de 41 mil habitantes na região das baixadas litorâneas, a 140 km da capital do estado. Um dos pacientes morreu, e o outro permanece internado. Além desses dois casos confirmados, está sendo investigada uma possível terceira ocorrência, em Itaperuna, no noroeste do estado.

A notícia obrigou a Secretaria de Saúde do estado a antecipar a vacinação para 25 “municípios estratégicos” (confira a lista no link abaixo). De acordo com nota oficial divulgada em seu site, a Secretaria informou que “a prioridade da campanha será imunizar a população residente ou que trabalha em áreas de mata e zona rurais”.

Por conta da antecipação, o Ministério da Saúde se comprometeu a entregar um milhão de vacinas para as autoridades fluminenses. Clique aqui para ver a lista de municípios com vacinação antecipada.

Até o fim de março, a população dos demais municípios começará a ser imunizada. A Secretaria de Saúde ressalta que até o fim do ano toda a população do estado deverá ser vacinada – respeitando as contraindicações que impossibilitam a vacinação de certos grupos de pessoas.