Fábrica de grande escala é inaugurada

Com capacidade de produzir 60 milhões de Aedes do Bem™! semanais, a unidade pode proteger até 3 milhões de pessoas

Foi inaugurada nessa quarta-feira, dia 26, a nova unidade de produção do Aedes do Bem. A fábrica fica em Piracicaba e terá capacidade de produzir 60 milhões de Aedes do Bem por semana cerca de 30 vezes mais do que a unidade atual em Campinas.

A inauguração marca um novo momento do Aedes do Bem, mosquito da Oxitec que combate o Aedes aegypti, principal transmissor da dengue, Zika e chikungunya.  Com uma fábrica capaz de produzir o Aedes do Bem em grande escala, é possível tratar não apenas a região central de uma cidade como Piracicaba, mas uma região com até 3 milhões de pessoas durante a  fase de manutenção da supressão do Aedes aegypti.

Para o prefeito de Piracicaba, Gabriel Ferrato, a inauguração é mais uma etapa de uma relação que já dura quase dois anos. “Temos uma parceria com a Oxitec desde 2015 e agora estamos aqui gerando mais de uma centena de empregos para a nossa cidade, além do benefício único de proteger as pessoas de um mosquito que há décadas atormenta a saúde dos brasileiros”, disse.

Hadyn Parry, CEO da Oxitec, enxerga no momento atual a chance de expandir a tecnologia que já se mostrou eficaz no Brasil. “Queremos que o Aedes do Bem esteja disponível no máximo de países possível”, afirmou. O diretor da Oxitec do Brasil, Glen Slade, já projeta outras etapas de expansão.”Foi uma fábrica relativamente simples de montar – ficou pronta em cinco meses. Isso é importante se precisarmos aumentar a capacidade ainda mais”, comentou.

#VoaAedesdoBem

O Aedes do Bem! é liberado no CECAP/Eldorado desde abril de 2015. A região, que conta com 5 mil habitantes e fica a 8 km do centro de Piracicaba, teve 133 casos de dengue ao longo do ano-dengue 2014-2015. Por causa da incidência expressiva, essa foi justamente a área definida pela prefeitura como prioritária para ser tratada com o Aedes do Bem. No ano-dengue seguinte, a quantidade de ocorrências da doença caiu para 12, uma redução de 91%. No restante da cidade, a queda observada foi de 52%.

Desde julho de 2016, os Aedes do Bem são liberados na região central de Piracicaba, ajudando a proteger a saúde das cercas de 60 mil que vivem nessa área da cidade – sem contar as que ali circulam diariamente. A expectativa é que, a partir da nova fábrica, o Aedes do Bem voe cada vez mais alto, protegendo milhões de brasileiros contra o mosquito transmissor da dengue, Zika e chikungunya.